top of page
  • Foto do escritorLuciene Carris

Baía de Guanabara: paisagem e memória

Atualizado: 20 de jan. de 2023

Rio de Janeiro, 19 de janeiro de 2023.

Luciene Carris*


No próximo dia 20 de janeiro de 2023 se comemora no município do Rio de Janeiro o dia de São Sebastião, o padroeiro da cidade, conhecido como protetor da humanidade contra a fome, a peste, o protetor das pessoas feridas e com doenças contagiosas. A relação do santo de origem francesa com a história do Rio de Janeiro remonta ao período da colonização portuguesa, em especial, a expulsão dos franceses da Baía da Guanabara que teria ocorrido nesta data, como bem apontou Carlos Eduardo Pinto de Pinto no texto São Sebastião, Oxossi e a história do Rio de Janeiro, publicado aqui no Box Digital de Humanidades.


Conhecida como “seio do mar” pelos indígenas, a Baía da Guanabara pode ser considerada como uma testemunha importante da história do Rio de Janeiro. Vale destacar que é a segunda maior baía do litoral brasileiro, depois da Baía de Todos Santos, e compreende uma área de cerca de 412 km2 de espelho d´água, abrangendo 15 municípios do estado, tais como: Duque de Caxias, São João de Meriti, Belford Roxo, Nilópolis, São Gonçalo, Magé, Guapimirim, Itaboraí, Tanguá, Rio de Janeiro, Niterói, Nova Iguaçu, Cachoeiras de Macacu, Rio Bonito e Petrópolis. Considerada, também, como uma das mais formosas bacias do mundo devido a sua beleza natural, que sem dúvida, atrai a atenção de muitos habitantes e turistas. Apesar da sua degradação ao longo dos séculos e da sua conversão a um cemitério de inúmeras embarcações, a Baía é um estuário que recebe muitos rios originados na Serra do Mar e na Baixada Fluminense, além disso, possui 42 ilhas.


Uma das imagens mais impressionantes sobre a Baía da Guanabara que me vem a memória é a pintura de Leandro Joaquim, que retratou as baleias jubarte há cerca de 200 anos. Fugindo das águas geladas do Ártico, os mamíferos marinhos buscavam temperaturas mais amenas para acasalar e procriar. O fenômeno se tornou cada vez mais raro, mas, em 2021, muitos se surpreenderam com a aparição de muitas baleias e com suas curiosas piruetas que atingem cerca de 16 metros. Cada vez mais raro, também, é a presença do boto-azul, uma espécie de golfinho, aliás, muitos ambientalistas destacam com pesar a existência de pouquíssimas espécies encontradas no estuário.




Pesca da baleia na Baía de Guanabara, Leandro Joquim, óleo sobre tela, 1750-1798.

No primeiro plano, a Bateria Ratier, atual Forte Tamandaré da Laje.

Museu Histórico Nacional



A natureza pujante da Baía de Guanabara foi descrita por cronistas, viajantes, pintores e poetas desde que do dia 01 de janeiro de 1502, quando o explorador português Gaspar Lemos adentrou na Baía de Guanabara, e avaliou aquele acidente como a foz de um grande rio. A partir dessa data, muito se descreveu sobre o novo mundo e a literatura de viagem floresceu com a invenção da tipografia por Gutenberg. Não por acaso, a Baía de Guanabara foi alvo da pena do missionário genebrino Jean de Lery (1536-1613), que acompanhou a empreitada do almirante francês Nicolas Durand de Villegagnon (1510-1561), a chamada França Antártica.


Lery, originalmente um sapateiro e aluno de teologia do líder religioso João Calvino, viajou para o Brasil, acompanhado de outros protestantes, e aqui presenciou a falência do projeto de Villegagnon, o fracasso da primeira tentativa de uma colônia francesa no ultramar, a segunda, também malograda, foi no Maranhão entre 1612 e 1615. Apesar disso, deixou um importante relato de sua viagem conhecida como Viagem à terra do Brasil, originalmente publicada em 1578. A obra foi lida pelos seus contemporâneos como um livro de viagem e de aventuras, contudo, ao longo do tempo, se converteu em um excepcional documento histórico e etnográfico, em especial, sobre os tupinambás, aliados dos francesas.


Sobre a natureza exuberante que tanto atraiu a curiosidade e a cobiça de tantos europeus, Lery revelou que as baleias eram “verdadeiros monstros marinhos” e a Baía era, no seu entender, um caudaloso rio, como se observa a seguir:


Não deixarei de mencionar também as horríveis baleias que diariamente nos mostravam suas enormes barbatanas fora d’água e folgando neste vasto e profundo rio, aproximavam-se tanto da nossa ilha que as podíamos atingir a tiros de arcabuz. Entretanto, como têm o couro muito duro e o toicinho espesso, não creio que as balas penetrassem a ponto de ofendê-las; prosseguiam no seu caminho e suponho que não viessem a morrer (LERY, 1961, p. 89).


Na sua obra, relatou diversos animais, entre outros aspectos curiosos, mas sobre os golfinhos citados anteriormente na Baía, revelou que:


E quando o mar se agita surgem esses golfinhos repentinamente à tona d’água, mesmo à noite e tornam o Oceano quase verde. É um prazer ouvi-los roncar e fungar como porcos; mas quando os marinheiros os veem assim nadar e atormentar-se pressagiam próxima tempestade o que de fato muitas vezes vi acontecer. Por mar calmo reuniam-se não raro em tão grande número em torno de nós e até onde alcançava a vista parecia o mar coalhado de golfinhos; e como não se deixavam apanhar tão facilmente quanto os outros, não os tínhamos quando queríamos (LERY, 1961, p. 54).


Por sua vez, o padre jesuíta português Fernão Cardim (1540-1625) descreveu a fauna, flora, rituais, hábitos dos povos ameríndios na obra Tratados da terra e gente do Brasil, escrito entre 1583 e 1601, corresponde a uma compilação de textos, mas que só foi descoberto tardiamente, e publicado em 1925. Cardim foi secretário do visitador Cristóvão de Gouveia da Companhia de Jesus, e viajou pelas capitanias da Bahia, de Pernambuco, Espírito Santo, do Rio de Janeiro e de São Vicente. O intuito da viagem era dirimir possíveis “dúvidas, surgidas no contato com outros povos, renovando os votos e a fé daqueles religiosos que estavam distantes das certezas europeias”. Vale lembrar que a Companhia de Jesus haveria de ser expulsa dos domínios do reinado de d. José I em 1759. De todo modo, o seu relato revela dados interessantes sobre a cidade, que já ocupava o Morro do Castelo e sobre a Baía de Guanabara revelada como uma obra divina:


A cidade está situada em um monte de boa vista para o mar, e dentro da barra tem uma baía que bem parece que a pintou o supremo pintor e arquiteto do mundo Deus Nosso Senhor, e assim é coisa formosíssima e a mais aprazível que há em todo o Brasil, nem lhe chega à vista do Mondego e Tejo; é tão capaz que terá vinte léguas em roda cheia pelo meio de muitas ilhas frescas de grandes arvoredos, e não impedem a vista umas às outras que é o que lhe dá graça (CARDIM, p. 152).


Outros tantos cronistas chegaram aqui nas terras recém-descobertas do outro lado do Oceano Atlântico, contribuindo para a construção de um imaginário pitoresco e exótico sobre a sua natureza e seus povos originários. Aliás, os indígenas, naturais dessas terras muito sofreram, consequentemente, com muitas doenças como a varíola, com a aculturação, e em especial, com a sua dizimação, uma vez que se estipula em cerca de três milhões habitantes por volta de 1500. Certamente, podemos considerá-los como os verdadeiros cariocas aqueles que habitavam essas terras em tempos remotos, e que hoje sofrem com o apagamento de sua história na cidade.




Forte Tamandaré da Laje

Fonte: Poder Naval.

Disponível em: l1nq.com/Wpu3v Acesso em: 19 jan. 2023.


A preocupação com a defesa foi constante durante o período colonial, não por acaso, o medo de novas invasões levou a construção de fortes e fortalezas, que atualmente constituem um importante patrimônio histórico aberto à visitação. Assim, bem na entrada da Baía da Guanabara encontramos a Fortaleza de Santa Cruz, o Forte Tamandaré da Laje e a Fortaleza de São João, que formavam uma importante linha de defesa contra corsários e invasores. O único indisponível para visitação é o Forte Tamandaré da Lage, onde funcionou a efêmera Bateria Ratier na ilha da Laje, uma espécie de bunker construído pelos franceses durante a França Antártica. E, assim, foi reutilizado pelos portugueses e teve outras funções antes de ser desativado, serviu de prisão para muitos como Bento Gonçalves e Pedro Boticário, envolvidos na Revolta da Farroupilha, bem como sofreu com os bombardeios durante a Revolta da Armada nos primeiros anos do governo republicano. Ali na Fortaleza de São João na Urca, podemos observar o marco original da cidade, pois foi ali numa área do sopé entre os morros Cara de Cão e o Pão de Açúcar, que surgiu a cidade de São Sebastião do Rio de Janeiro.




Fortaleza de São João e o marco de nascimento da cidade

Centro de Capacitação Física do Exército e Fortaleza de São João

Disponível em: http://www.ccfex.eb.mil.br/sitio-historico Acesso em: 19 jan. 2023.



E, assim, citando Simon Schama: “a natureza não é algo anterior à cultura e independente da história de cada povo. Em cada árvore, cada rio, cada pedra, estão depositados séculos de memória”. Portanto, a Baía da Guanabara se insere na paisagem “preenchida ideologicamente por significados identitários e simbólicos (inclusive de nacionalidade), reproduzidos pela literatura e pela pintura, que acabam por alimentar os imaginários sociais, ao mesmo tempo que se alimentam desses.” (SCHAMA, 1996)




Referências:


Baía de Guanabara. CEDAE. Disponível em: https://cedae.com.br/baiadeguanabara Acesso em: 19 jan. 20223

CARDIM, Fernão. Tratados da terra e gente do Brasil. Disponível em: https://fundar.org.br/wp-content/uploads/2021/06/tratados-da-terra-e-da-gente-do-brasil.pdf Acesso em: 10 jan. 2023.

FERNANDES, Eunícia Barros. Fernão Cardim: a epistolografia jesuítica e a construção do outro. Tempo, n. 14, 2009. Disponível em: https://fundar.org.br/wp-content/uploads/2021/06/tratados-da-terra-e-da-gente-do-brasil.pdf Acesso em: 10 jan. 2023.

LERY, Jean de. Viagem à terra do Brasil. RJ: Biblioteca do Exército, 1961.

Jubartes voltam à Baía de Guanabara, onde já foram caçadas. O Especialista, 26/06/2021. Disponível em: https://oespecialista.com.br/jubartes-voltam-a-guanabara-onde-ja-foram-cacadas/ Acesso em: 12 jan. 2023.

Salvem os botos-cinza: só restam mais trinta animais na Baía de Guanabara. Veja Rio, 02 mai. 2022. Disponível em: https://vejario.abril.com.br/cidade/boto-cinza-baia-guanabara/ Acesso em: 12 jan. 2023.

Braga, Elcio, O terror e o amor no abandonado Forte da Laje. Youtube, 06 jun. 2018. Disponível em: https://www.youtube.com/watch?v=1NmfrNlm7lg Acesso em: 12 jan. 2023.

SCHAMA, Simon. Paisagem e memória. São Paulo, Companhia das Letras, 1996.




Luciene Carris é historiadora (UERJ).


61 visualizações2 comentários

Posts recentes

Ver tudo

2 Comments


Camilla Vilhena
Camilla Vilhena
Feb 02, 2023

"O pintor Paul Gauguin amou a luz da Baía de Guanabara

O compositor Cole Porter adorou as luzes na noite dela

A Baía de Guanabara

O antropólogo Claude Lévi-Strauss detestou a Baía de Guanabara

Pareceu-lhe uma boca banguela

E eu, menos a conhecera, mais a amara?

Sou cego de tanto vê-la, de tanto tê-la estrela

O que é uma coisa bela?" - O Estrangeiro , Caetano Veloso.


Viajei no tempo lembrando a infância na barca com os botos acompanhando. Lindo de ver. Lindo lembrar. Lindo texto. Gratidão.

Like
Luciene Carris
Luciene Carris
Feb 04, 2023
Replying to

Oi Camilla, que comentário generoso, lindo. Que bom que se lembrou das suas vindas para as aulas na UFRJ. Gratidão!

Like
bottom of page