top of page
  • Foto do escritorBox Digital

Cultura LGBT: Expressão Profana ou Resistência? A Festa da Chiquita em Belém do Pará

Toronto, 15 de abril de 2022.

André Sena*




Os últimos meses de 2022 nos reservam comemorações e surpresas. Estas últimas poderão, infelizmente, se traduzir em frustração, especialmente no que tange o futuro político imediato brasileiro. Entretanto, o décimo mês reserva no universo católico popular setentrional brasileiro uma das mais impressionantes manifestações populares em termos religiosos: o Círio de Nazaré, festa da “Senhora de Nazaré”, capaz de congregar pessoas na casa dos milhões. Certa vez assisti na UERJ a conferência de um antropólogo norte-americano que discutia o conceito de “adjacência religiosa”. O professor afirmou que um dos objetos mais caros dos antropólogos da religião que estudavam o fenômeno era o caso da fé mariana no Brasil.



Crédito: Arquidiocese de Belém.


Contudo é de outras adjacências que este breve ensaio trata, especialmente na esfera do contradiscurso, atravessado pela cultura de resistência, ao mesmo tempo que se percebe como marginal e complementar ao grandioso evento católico que ocorre todos os anos no norte do Brasil, em torno da figura de Nossa Senhora de Nazaré: a Festa da Chiquita.


O mês de outubro em Belém do Pará é marcado por uma expressão de fé e devoção que se confunde com a própria identidade paraense: o Círio de Nazaré. Nossa Senhora de Nazaré, padroeira do antigo Grão-Pará, terra de sonhos de liberdade. Foi ali que surgiram um conjunto de sementes políticas que matizaram de sangue, mas também de utopias o Brasil do Século XIX. Eram os idos do período Regencial e os paraenses fizeram sentir sua vontade de se autodeterminar como um povo livre.


A Cabanagem durou de 1835 a 1840 no Pará e envolveu não apenas oligarquias locais e elites políticas, como muitas vezes ouvimos em alguns bancos escolares. Ela foi uma mistura de forças que ferveram a região, envolvendo brancos, índios e negros; homens e mulheres em um processo de politização e rebeldia, que apontava para a necessidade da construção de uma sociedade menos assimétrica. Eduardo Angelim, um de seus líderes era um derrapante ideológico que apesar de filho das elites entendia que ou o Pará era de todos, ou não era de ninguém.


A Cabanagem foi massacrada. Desmobilizada. Passou do terreno à História. Mas os paraenses nunca deixaram de representar em alguma medida o espírito de liberdade e dignidade que ela incorporou enquanto durou. Devemos muito aos paraenses nesse sentido. Eles têm muito mais a nos ensinar do que o Carimbó e sua fé na vida e na Virgem.


A mobilização popular em torno de Nossa Senhora de Nazaré no mês de outubro impressiona. Não apenas como manifestação litúrgica, mas como expressão cultural de uma massa de homens e mulheres negros, pardos, brancos, índios, gringos, pobres, ricos, tudo. A grossura da corda em torno da berlinda de ouro por onde caminha a Santa entre o povo arranca lágrimas, pedidos, arrepios:


Ó virgem mãe amorosa, Fonte de amor e de fé Dai-nos a benção bondosa Senhora de Nazaré.


Curiosamente, à margem da corda e da berlinda ocorrem festejos que já duram 30 anos. Não contra a Santa, mas com ou apesar dela. Refiro-me a Festa da Chiquita, expressão da comunidade LGBTQIA+ paraense, e que resiste apesar da patrulha e da repressão. Ainda que não reconhecida oficialmente como parte do calendário oficial dos festejos do Círio, a Festa da Chiquita insiste em viver e deixar viver. Em respeito aos romeiros, ela só começa depois da Trasladação, já a noite. Se inscreve, portanto, no tempo profano, na sequência do tempo sagrado da procissão. Com esse gesto, a Festa da Chiquita oferece ao povo respeito e espaço, mas nem sempre os recebe de volta.




Crédito: Jornal Passaporte


O apoio recente de Fafá de Belém e Gaby Amarantos a festa tem sido como uma vitamina, mas ele só foi possível graças a indivíduos LGBTQIA+ que desde 1978 (e olha como aqueles tempos eram duros para quase todos!) buscam formatar na cena dos shows de drag-queens, apresentações de transformistas, travestis e misses gays uma certa militância cultural que fala de coisas as mais banais do mundo, como o direito de existir.


O documentário As Filhas da Chiquita, produzido em 2006 por Priscila Brasil e Vladimir Cunha tem imagens impressionantes do alcance popular da festa. Mas também mostra a polarização entre uma cultura religiosa que marca profundamente uma certa tradição moral brasileira (não a única…) e uma cultura LGBTQIA+ que se impõe como adjacente, resistente, insistente…porque gay também é gente.


Por toda noite o espaço onde a celebração ocorre ganha palcos com shows já homo culturalmente tradicionais. Drags comandam o espetáculo que vai da música a dança com performances as mais variadas. Luzes e sombras permeiam a noite, onde encontros proibidos na clareza do dia e no imperativo da suposta democracia brasileira passam a ocorrer com liberdade, frescor e ao mesmo tempo sempre sob o risco da insegurança e da violência homofóbica e transfóbica. O vale tudo da Chiquita é ao mesmo tempo afirmação e denúncia: afirmação da legitimidade dos nossos desejos e afetos. E denúncia de que em pleno século XXI eles ainda são quando muito tolerados, mas normalmente rejeitados como uma expressão efetivamente legítima de vida.


Na obra “O Homem que Amava Rapazes. E outros ensaios.” Denilson Lopes explora elementos da cultura pop no universo gay, queer e camp, especialmente a partir de um recorte de cultura de massa. As manifestações culturais LGBTQIA+ são percebidas pelo autor como algo que extrapola a simples manifestação pelo entretenimento, expressando ainda valores em torno da legitimidade da existência e presença de toda uma cultura e modo de vida de um grupo de pessoas que sofreram por séculos processos violentos de anulação existencial e silenciamento. A Festa da Chiquita se inscreve precisamente neste processo, especialmente em tempos em que novamente a comunidade LGBTQIA+ é colocada sob suspeita e ameaça dos velhos setores de sempre. Mas agora com a diferença que nós começamos a tomar consciência de que também estivemos sempre por aqui.


Ainda existem utopias no Pará, no Brasil, no mundo. A Cabanagem e seus sonhos ainda parecem fazer sentido.


*André Sena é historiador (UERJ).


REFEÊNCIAS:

COSTA DE BRITO, Arthur et al. Festa da Chiquita. Espaço Sagrado e Profano na Festa do Círio de Nazaré. Belém – PA. Revista de Geografia da UFPE. Vol.33, n.1 (2016)

LOPES, Denilson. O Homem que Amava Rapazes. E outros ensaios. Ed. Aeroplano, 2002.

COLEMAN, Simon. Pilgrimage as Trope for an Anthropology of Christianity. Current Anthropology, Volume 55, Supplement 10, December 2014.



101 visualizações0 comentário

Posts recentes

Ver tudo

Comments


bottom of page